Cores e pigmentação

Cores e pigmentação

por Max Macedo março 10, 2020

Traduzido para o português por José Tinoco Filho 

As cores aceitas na pelagem do Pastor Alemão são o preto e o marrom (Tan). O preto criado pelo pigmento eumelanina varia em função da extensão do corpo que ocupa, enquanto o marrom (Tan), criado pelo pigmento phaeomelanina, varia na riqueza da cor, na sua intensidade e tonalidade. Um cão bem pigmenta irá exibir preto em cerca de 50% do corpo, com um dourado forte e uniforme, que pode variar de uma tonalidade “cor de grama no outono” a uma tonalidade avermelhada, forte e intensa. Estas cores são exibidas em quatro tipos de pelagem. Estas são em ordem de dominância: Cinza, Capa Preta, Bicolor e Preto. 

1. Cinza Ricamente Mantado, Cinza Negro, Cinza Despigmentado 

O Cinza é a cor original do “Lobo”, tem uma cor de fundo sobreposta por uma camada negra, no Pastor Alemão, esta cor de fundo e o marrom (Tan), com a camada de negro forte pode chegar a parecer totalmente negro, quando visto de longe. Willis cogita, mas não está totalmente convencido que existem na verdade dois alelos para a cor cinza; cinza, propriamente dito, e o amarelo. Entretanto, a mesma variação em cor pode ser vista no capa preta. Suspeito da existência de dois alelos na pelagem cinza, afetando a extensão do manto negro; um para o cinza mantado e outro para o cinza negro, o qual mostra marcas distintas na pelagem, dedos e pernas, freqüentemente apresentando a cor preta espalhada pela garganta e pelo peito. Alguns cinza negros parecem mesmo serem totalmente negros, mas é só observar de perto que logo se percebe a cor de fundo, marrom, presente. Tais dois alelos, se existirem, coincidirão com a distribuição genética do pigmento no capa preta e no escuro bicolor. Não acredito que o cinza melhore a pigmentação pelo simples fato de ser cinza. O cinza pode ser tão pobremente pigmentado quanto qualquer outra pelagem. Acredito, no entanto, que em geral o cinza é mais melânico que a média dos capa preta, apenas para parecer igualmente escuro, portanto, trazendo uma melhor pigmentação na criação por ser geneticamente mais escuro. O mesmo resultado pode ser conseguido se utilizado o capa preta igualmente melânico. 

2. Pelagem Capa Preta. Rica (Intensa), Capa Preta melânico, Capa Preta despigmentado. 

O Capa preta também mostra coloração de fundo, marrom, rica, mas apresenta manto negro que vai até bem próximo a pele. O manto negro deve cobrir a parte superior do pescoço, os ombros, algumas marcações, costas e laterais, ate certo ponto, garupa e cauda. Freqüentemente percebemos marrom no pescoço ou na parte inferior da cauda, mas se e percebido na garupa nos lados, ou se a cauda não apresenta um prolongamento do negro do dorso, a despigmentaçao esta presente. Chamuscamento de marrom em meio ao preto na região da cernelha, nas costas e bem freqüente nas fêmeas, ate mesmo nas mais escuras, mas e mais visto nos machos despigmentados que nos mais escuros. Um capa preta despigmentado pode ser facilmente confundido com um cinza claro, mas se são assim tão parecidos, certamente são ambos despigmentados e merecem como tal serem penalizados. Capa pretas muito bem pigmentados chegam até a ser anunciados como bicolores e podem apresentar cabeça, pescoço e corpo próximos ao preto. No entanto, apresentam normalmente o marrom na base das orelhas, e tem pouco ou nenhum pelo negro por baixo ou nos dedos e pernas. 

3. Bicolor (Bem marcado pelo marrom), Bicolor melânico, Bicolor Despigmentado. 

Tipicamente o bicolor e um cão preto com marrom em algumas partes, como no Dobermann. De fato, e o mesmo gene. Um bicolor escuro com a máscara negra, pode parecer um cão preto, com sub pêlo preto e apenas algum marrom nos pés. Normalmente os bicolores apresentam algum marrom no ventre e entre os dedos, mas já vi alguns com tão pouco marrom nestas áreas que pareciam ser cães pretos. Um bicolor despigmentado pode parecer um cão cinza negro, mostrando partes de cor mista no pescoço e um sub- pêlo claro em algumas áreas. Tais cães, embora pareçam escuros, carregam a despigmentação. 

4. Pretos 

Um cão preto é sempre preto, embora alguns tenham partes marrons entre os dedos ou mesmo pelos cinza no sub pêlo do pescoço, em pequena quantidade. Maur Ray Kennels, um canil americano especializado em cães pretos nos anos 40, sugeriu que se cruzasse Pretos sólidos x Pretos sólidos por inúmeras gerações até que se chegasse a pretos totalmente negros. No entanto tal prática não afasta o gen da despigmentação, visto que não é incomum que cães capa preta despigmentados gerem cães pretos, que embora não aparentem, gerarão por sua vez cães capa preta despigmentados. 

5. Pigmentação do focinho 

A máscara negra, tão importante na expressão do Pastor Alemão, aparenta ser um gen dominante e independente. E perfeitamente possível que um cão bem pigmentado em outros aspectos careça de máscara, ou mesmo, que um cão despigmentado apresente boa máscara. A máscara envolve o focinho e em volta dos olhos. As marcações na altura do crânio estão vinculadas ao manto, assim, um cão com manto claro provavelmente apresentara um crânio amarelo, enquanto um com manto muito escuro provavelmente apresentara marcações negras na cabeça. Um bicolor sem máscara exibira marcações parecidas com as de um Dobermann, preto na face com o focinho amarelo, enquanto um cão preto sólido sem máscara será difícil de distinguir. Nos cinza, a cabeça recebe as marcações de acordo com a pelagem, enquanto a máscara segue caminho independente. 

6. Capa Preta (Preto e Prata x Vermelho e Preto despigmentado) 

Pigmentação fraca é indesejável, mas suas várias manifestações podem ser bem complicadas. O manto claro não é atraente, mas em um cão vermelho-tomate é freqüentemente ignorado. Um cão com o manto, fortemente pigmentado e boa máscara, mas com coloração de fundo creme ou mesmo prata pode possuir um gen para produzir albinos, sendo igualmente indesejável. Em algumas circunstâncias estes cães podem produzir brancos. Marcas brancas não são desejáveis, no entanto, uma pequena mancha branca no peito e comum até em cinzas negros, podendo ser ignoradas por não causarem maiores conseqüências. Unhas claras podem ser um sinal de maior gravidade quanto ao aparecimento de manchas brancas. Unhas escuras, negras, são indicativos de boa pigmentação do manto, pois cães com mantos claros normalmente apresentam também unhas claras. O branco pode resultar de diferentes genes, alguns ligados a despigmentação, outros não, mas perante o padrão, branco é branco e não é aceitável. De acordo com Willis, a duplicidade do gen merle seria letal, mas não ocorre no Pastor Alemão. 

7. Quatro pelagens com Azul 8. Quatro pelagens com Fígado 

Os genes de Azul e Fígado, apesar de raros, atualmente parecem despertar interesse, pelo menos, se levarmos em conta o número de buscas na internet. Se bem cruzados podem ter aparência interessante. Não são expressamente proibidos, mas o padrão manda que a pele do nariz seja preta, e estes diluídos mostram peles azul e fígado. O gen azul faz com que o pigmento preto, tanto da pele quanto dos pêlos, torne-se azul, enquanto o gene fígado age da mesma forma, mas transforma o pigmento preto em fígado. Nos dois casos normalmente os olhos adquirem coloração amarelada. Ambas as diluições são recessivas e podem ocorrer em todas as pelagens do Pastor Alemão. Quando estas diluições se encontram, o resultado e a cor prateada dos Weimaraner ou a cor dos Dobermann isabelinos, e de acordo com os criadores de Dobermann, tendem a ter pelagem rala. Uma boa razão para evitá-los. A tão falada letalidade da cor fígado parece não existir. Azuis, Fígados e Brancos devem ser postos em lares carinhosos e devem ficar isolados do programa de criação. 

9. Capa Preta ou Cinza com partes claras 

Ha uma tendência de algumas famílias em gerarem exemplares com partes mais claras, especialmente na garganta, nos pés, peito e entre as pernas. Deve ser feito um esforço para tornar homogênea a cor de fundo. 

10. Tigrado 

Não pude resistir em citar o tigrado, o qual foi uma das cores presentes na fundação da raça, mas que parece ter desaparecido. O gen tigrado afeta a cor de fundo, fazendo com que o capa preta e o cinza mostrem um escurecimento na parte marrom, com um efeito semelhante ao que ocorre nos Boxers de cor tigrado. Não posso deixar de imaginar como seria um cão cinza marcado com tigrado. Se tal pelagem de alguma forma desaparecer espero que não seja descartada como atípica. 

A cor dos olhos não é relacionada à pigmentação da pelagem. Um cão escuro, de excelente pigmentação, pode apresentar olhos claros, enquanto um cão de péssima pigmentação pode vir a apresentar olhos bem escuros. O padrão diz que os olhos devem ser o mais escuro possível, mas olhos pretos demais podem prejudicar a expressão, outros falam que a cor dos olhos deve se harmonizar com a cor da pelagem, mas uma face clara é bem mais atraente com olhos escuros, então não há razão para buscar olhos claros. Em cães muito melânicos até as gengivas podem ser pretas e não é incomum haver sinais pretos na língua, A pele nas áreas pretas e escura, enquanto nas áreas marrons, são rosadas. Todas as partes expostas da pele devem ser pretas, exceto as orelhas e o ventre, mas em alguns cães, muito escuros, até estas partes são escurecidas. Unhas devem ser sempre pretas. 

* Willis, Malcolm B., B.Sc. Ph.D., 1977, The German Shepherd Dog: Its History, Development and Genetics. New York; Arco Publishing. p. 132. 

Social Shares

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *